Cadernetas Agroecológicas: Beneficiários do Paulo Freire participam de Encontro Estadual

3 de setembro de 2019 - 17:14

Ascom | Texto e Imagens: André Gurjão - andre.gurjao@sda.ce.gov.br

Na próxima quarta-feira (04), 85 mulheres, jovens e quilombolas de 62 comunidades rurais de 31 municípios cearenses desembarcam em Fortaleza. O grupo participa do Encontro Estadual de Formação para Uso das Cadernetas Agroecológicas, promovido pela Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), através do Projeto Paulo Freire, que acontece no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU). O evento ainda conta com a parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento da Agricultura (FIDA) e do Programa Semear Internacional, e com o apoio do Instituto Agropolos do Ceará (IACe). O desembarque é às 8h30.

O objetivo é capacitar técnicos das entidades prestadoras de Assistência Técnica Contínua (ATCs) e agricultores familiares para o uso das Cadernetas Agroecológicas. Além de multiplicar o uso do instrumento, que estimula uma visão voltada à geração de renda, os produtores participam de formações que tratam do empoderamento de grupos tradicionalmente vulneráveis e invisíveis perante a sociedade. A próxima etapa, após o Encontro Estadual, são os encontros territoriais, responsáveis pela difusão do conhecimento em quatro territórios cearenses.

A Caderneta

A Caderneta Agroecológica é uma proposta de monitoramento da produção da agricultura familiar e camponesa com o objetivo de dar visibilidade e valorizar a produção agroecológica e diversificada, sobretudo das mulheres agricultoras. Em 2017, a iniciativa foi selecionada para compor o Caderno de Boas Práticas de Assistência Técnica e Extensão Rural, do governo federal, e avaliada como um sucesso entre as mulheres que querem conhecer melhor a sua produção e a sua renda.

A caderneta é para ser preenchida no dia-a-dia para que a agricultora não esqueça de anotar tudo o que é produzido e o valor de comercialização. Uma dica importante, pensada no melhor monitoramento dos produtos dos quintais e das mulheres, é colocá-la num espaço bem visível – pendurada na parede, na porta da geladeira, em cima do fogão, ou numa bancada de fácil acesso – e anotar tudo que foi colhido para o consumo, vendido, trocado ou doado.